Blog descoberto?

Olá Pessoas,

Então, hoje tive a ligeira impressão que tem gente que sabe da existência do blog. Pode ser só grilo meu, ou o fato de eu não estar acostumada a fazer coisas escondidas (sim porque o blog é meio que escondido, dado que eu não faço propaganda dele). Mas tive essa impressão pelo fato de ouvir essa frase: “Eita,vocês deviam escrever para o boletim, vocês escrevem aí pra todo canto e pro boletim vocês não escrevem”. Nessa hora estávamos eu e uma amiga. Ela é jornalista, tudo bem, escreve mesmo. Mas eu? Só se isso se referir ao fato de eu ter essa semana publicado um texto que fiz há uns dois meses e publiquei aqui no blog. Aí fica a pergunta na minha cabeça… Será que pessoas conhecidas minhas sabem da existência do blog?

Não vou mentir, se souberem eu vou me sentir um pouco invadida. É verdade que ultimamente eu tenho escrito bem pouco, mas mesmo assim, é meio constrangedor. Porque por exemplo, pessoas que não me conhecem e lêem o blog direto, não me conhecem(provavelmente você que está lendo) mas gente que você conhece sabendo de algumas coisas que escrevo aqui no blog em tempo real, isso me deixa bem constrangida. Como também pode ser só jogada (conhecendo do jeito que conheço a pessoa, pode sim ser só jogada – eita e se ela estiver lendo isso? Ah!) da pessoa pra eu e minha amiga escrevermos. Na verdade eu já havia pensado em fazer isso, escrever pro boletim (tipo um jornalzinho da minha igreja). Só que tenho que ter a inspiração certa. Tem que ser no tempo certo, com a mensagem certa. E só consigo fazer isso quando tenho uma inspiração. Mas mesmo assim fiquei bem intrigada.

Então aí vai o recado: Se tiver alguém amigo ou colega meu, lendo o blog, se apresente, comente, fale. Vou continuar colocando os textos, fortes e tal, mas tem que se apresentar para eu me prepara psicologicamente pra olhar na sua cara.

E sobre o dia de hoje…O sábado foi maravilhoso! Esse é realmente o dia de esperança! Qualquer dia desses faço um post sobre o sábado, meu dia de esperança, eu mereço, o blog merece, e principalmente você, querido leitor, merece esse texto.

No mais, Boa Semana! Que nessa semana você possa fazer com que as pessoas que estão ao seu redor sejam mais FELIZES!

Anúncios

Tinha que escrever…

Meus dias têm sido tão apertados. É administração pra cá, psicologia pra lá…E eu sempre doida correndo de um lado para outro. Pior que está chegando o fim do período, sem comentários. Passei 6 semanas tendo uma ou duas provas por semana. Tive uma semana de folga e agora via começar tudo outra vez.

No meio de toda essa correria estou tendo problemas pessoais. E alguns dilemas a resolver. Por exemplo: Até onde você pode se meter na vida de alguém (seu superior) pra dá um conselho? Qual a melhor maneira de dizer a verdade (muito dolorida/ e que a pessoa não está preparada pra ouvir) a alguém que nem sabia dessa verdade, nem queria essa verdade? Até onde fica o limite da relação professor-aluno? Até onde agente pode ajudar um professor? Como ser imparcial se duas pessoas que você gosta muito estão em conflito? Como não defender um ou outro?

Bem, tenho vivido essa historia toda há umas 3 semanas, nessa última chegou ao clímax. Só percebi que estava envolvida mais do que queria quando o meu coração doeu.

Nisso tudo tenho sido verdadeira, transparente e o mais ética possível. Tenho feito tudo pra ajudar todo mundo a chegar a um consenso, e resolver o problema, tenho minimizado alguns prejuízos e engolido alguns sapos. Mesmo assim tenho sido mal julgada e mal compreendida.

Mas é verdade, já confessei a Deus e tenho que confessar aqui que errei feio em um ponto. E pior que errei com a melhor das intenções, errei querendo/tentando proteger umas das partes. Mas na verdade só piorei a situação. Talvez por isso meu coração doeu e eu me senti tão culpada.

Outro motivo de me sentir muito triste é ver que tem uma das partes que sofreu (ou está sofrendo) muito nessa historia. E não levei em consideração, quando ela me olhou nos meus olhos e disse: “Me ajuda a entender você que é psicóloga”. Eu soltei a minha frase pronta pra essa indagação (Não sou psicóloga, serei administradora primeiro. Não é nada com essa parte. Mas as pessoas esqueceram que sou Lídia, agora sou  só a aluna de psicologia. Não é por nada, estudo psicologia pra ajudar pessoas[isso dá um post] Não nesse caso, mas tem pessoas que começam a te cobrar como se você tivesse numa clínica, como o seu paciente e isso me estressa. Gosto de conversar sobre psicologia, gosto de dizer o que os teóricos dizem em casos formulados, mas não em problemas particulares, ainda não sou psicóloga. E não posso fazer isso. Mas gosto de ajudar pessoas). Só depois percebi que ela tava falando muito sério. E não ajudei nessa hora.

Tenho ouvido nos últimos dias frases fortes e irônicas. Por exemplo: “Lídia estuda psicologia por isso entende toooodo mundo.” “Agente nunca está satisfeito, né?” “Você veio me falar isso porque teve medo que alguém me falasse?” “Como você ta “sacando tudo” de _________, me ensina?” “Você não dormiu só pensando nisso”.

Diante de tudo fiz o que estava correto, abri o jogo, mas reconheço que não fui tão clara. A primeira conversa foi tranqüila e simples. Mas a segunda, foi agitada, polêmica e um pouco constrangedora.

Pior de tudo “Pense, quando você souber você me fala”. E se essa parte vier me cobrar? Sem falar que segunda ainda tenho outras conversas com a outra parte.

Essa é a sorte de ter um blog não divulgado, posso chegar aqui e abri o jogo. Se uma das partes vê isso, vai ser muita sorte ou muito azar. E enfim, como sempre faço vou assumir o que fiz e o que escrevi.

Um abraço,

Boa Semana!

Lídia

Falta de tempo

Tanto mais tanto tempo que não venho aqui. É só uma coisa, FALTA DE TEMPO! Até queria escrever. Na verdade tenho 3 textos quase prontos no meu caderno. Mas não dá tempo de digitar, ajeitar e postar. Tenho pensado se existe um programa de PC pra gravar o texto no mp3 (em voz) e ele transformar pra Word, ou pra qq tipo de texto, seria ótimo, existe? Queria escrever! Poderia até fazer isso hoje, tou inspirada pelos problemas que ando tendo, mas isso ia demorar muito e eu não tenho tempo. Voltem sempre! E leia os textos antigos.  Assim que puder tou de volta! Att, Lídia

PS:Só vim mesmo lembrar que não abandonei o blog de vez.