Fracasso não é a pior coisa do mundo

Nota: Faz alguns dias que estou de férias, na verdade já está terminando. Esse período foi muito complicado. E  lógico vou fazer meu textinho de fim de período elogiando os verdadeiros mestres. E esse último texto aí embaixo? Muito fraco, só não vou tirar porque é contra minha política. Mas, vamos ao que interessa.

Fracasso não é a pior coisa do mundo; desistir é. Edwin Louis Cole


Essa frase faz todo sentido pra mim. Fiz um texto falando da palavra que não existe no meu dicionário, e outro falando de como sou fraca. Nessa oportunidade me sentia não só fracassada, mas pior que isso é desistir e em uma única semana tinha desistido de três coisas importantes. Uma não vem ao caso contar. As outras estavam relacionadas com uma disciplina (Avaliação Psicológica) que cursei nesse período que terminou.  Essa disciplina tem a sua beleza e é muito importante, mas senti grande dificuldade nela desde o início. Se falar que o professor é uma figura curiosa, bastante exigente. Não dá pra negar o quanto que aprendi e mais que isso, gostei muito de aprender o que aprendi (acredite possa dá aulas de certos assuntos).


Mas a verdade é que estava muito ferrada na cadeira, apesar de saber o suficiente, não conseguia ir bem nas provas(bem complicas por sinal). Chegou um momento que depois de muito refletir desisti de fazer a última prova e resolvi deixar pra reposição, isso acabou comigo(mas foi o que me salvou, essa decisão, na verdade Deus me salvou), pior depois disso meu grupo e eu por uma porção de motivos justificáveis e sérios desistimos de entregar um artigo que eliminaria a nota mais baixa das três provas. Isso me colocou em uma situação muito difícil, eu corria sérios riscos de perder a disciplina, e isso me deixava com uma sensação ainda pior de fracasso.


Você deve está pensando que eu sou uma verdadeira incompetente (pra não dizer vagabunda = aqui na minha terra refere-se a quem não estuda), mas acredite não é isso. Na minha sala foram reprovados direto sem conseguir os pontos para a final 22 alunos. Isso prova a dificuldade da situação.


Mas eu não desisti da disciplina, continuei estudando fiz a reposição. E aí veio o primeiro milagre de Deus, passei. Tirei uma nota suficiente pra ir a final. Acredite nunca fiquei feliz em fazer final essa foi à primeira vez. Fui fazer a prova tremendo de medo, na minha sala o clima de medo era geral, a maior prova é que alguém sugeriu que agente rezasse ou orasse. E antes da prova agente deu as mãos e orou pedindo a Deus que nos abençoasse, que o Espírito Santo trouxesse a nossa mente tudo que agente sabia.


Fiz a prova, apesar da prova ser 80% aberta e de meu professor liberar um gabarito esse é o tipo de prova que você só sabe o quanto tirou quando recebe a sua nota. Acordei na quinta-feira(8) apreensiva, com medo e confiante, liguei pra uma amiga e ela me disse que não estava na universidade, mas que eu perguntasse ao meu professor pela net que ele dizia a nota. Assim fiz e PASSEI! Tirei mais do que eu precisava. E estou muito FELIZ e GRATA a Deus por ter me abençoado e dados sabedoria e paciência pra estudar.


Pois o SENHOR é quem dá sabedoria; de sua boca procedem o conhecimento e o discernimento. Provérbios 2:6


Anúncios

Tinha que escrever…

Meus dias têm sido tão apertados. É administração pra cá, psicologia pra lá…E eu sempre doida correndo de um lado para outro. Pior que está chegando o fim do período, sem comentários. Passei 6 semanas tendo uma ou duas provas por semana. Tive uma semana de folga e agora via começar tudo outra vez.

No meio de toda essa correria estou tendo problemas pessoais. E alguns dilemas a resolver. Por exemplo: Até onde você pode se meter na vida de alguém (seu superior) pra dá um conselho? Qual a melhor maneira de dizer a verdade (muito dolorida/ e que a pessoa não está preparada pra ouvir) a alguém que nem sabia dessa verdade, nem queria essa verdade? Até onde fica o limite da relação professor-aluno? Até onde agente pode ajudar um professor? Como ser imparcial se duas pessoas que você gosta muito estão em conflito? Como não defender um ou outro?

Bem, tenho vivido essa historia toda há umas 3 semanas, nessa última chegou ao clímax. Só percebi que estava envolvida mais do que queria quando o meu coração doeu.

Nisso tudo tenho sido verdadeira, transparente e o mais ética possível. Tenho feito tudo pra ajudar todo mundo a chegar a um consenso, e resolver o problema, tenho minimizado alguns prejuízos e engolido alguns sapos. Mesmo assim tenho sido mal julgada e mal compreendida.

Mas é verdade, já confessei a Deus e tenho que confessar aqui que errei feio em um ponto. E pior que errei com a melhor das intenções, errei querendo/tentando proteger umas das partes. Mas na verdade só piorei a situação. Talvez por isso meu coração doeu e eu me senti tão culpada.

Outro motivo de me sentir muito triste é ver que tem uma das partes que sofreu (ou está sofrendo) muito nessa historia. E não levei em consideração, quando ela me olhou nos meus olhos e disse: “Me ajuda a entender você que é psicóloga”. Eu soltei a minha frase pronta pra essa indagação (Não sou psicóloga, serei administradora primeiro. Não é nada com essa parte. Mas as pessoas esqueceram que sou Lídia, agora sou  só a aluna de psicologia. Não é por nada, estudo psicologia pra ajudar pessoas[isso dá um post] Não nesse caso, mas tem pessoas que começam a te cobrar como se você tivesse numa clínica, como o seu paciente e isso me estressa. Gosto de conversar sobre psicologia, gosto de dizer o que os teóricos dizem em casos formulados, mas não em problemas particulares, ainda não sou psicóloga. E não posso fazer isso. Mas gosto de ajudar pessoas). Só depois percebi que ela tava falando muito sério. E não ajudei nessa hora.

Tenho ouvido nos últimos dias frases fortes e irônicas. Por exemplo: “Lídia estuda psicologia por isso entende toooodo mundo.” “Agente nunca está satisfeito, né?” “Você veio me falar isso porque teve medo que alguém me falasse?” “Como você ta “sacando tudo” de _________, me ensina?” “Você não dormiu só pensando nisso”.

Diante de tudo fiz o que estava correto, abri o jogo, mas reconheço que não fui tão clara. A primeira conversa foi tranqüila e simples. Mas a segunda, foi agitada, polêmica e um pouco constrangedora.

Pior de tudo “Pense, quando você souber você me fala”. E se essa parte vier me cobrar? Sem falar que segunda ainda tenho outras conversas com a outra parte.

Essa é a sorte de ter um blog não divulgado, posso chegar aqui e abri o jogo. Se uma das partes vê isso, vai ser muita sorte ou muito azar. E enfim, como sempre faço vou assumir o que fiz e o que escrevi.

Um abraço,

Boa Semana!

Lídia

O novo morador

Com essa correria toda, acabei não contando que estudo, em Psicologia, uma disciplina chamada Processos Psicológicos básicos I, nessa cadeira agente estuda, memória aprendizagem e outras coisas mais no 1º estagio e estuda também Analise experimental do Comportamento no 2º estagio, nessa segunda parte agente repete a experiência que Skinner fez com o ratinho.

Bem, eu sou uma defensora dos seres vivos, por todos os motivos mais óbvios, mas principalmente por acreditar que eles são criaturas de Deus.

Na ultima terça-feira terminei o experimento e como já havia comunicado a todo mundo, trouxe o ratinho pra casa pra criá-lo, pense como é fofo, é lindinho demais. É bem branquinho com olhos vermelhos.

Ainda agora estava eu lá, cuidando do novo morador da minha casa, limpando a gaiola, colocando comida (água já coloquei na hora do almoço).

Agora vou indo, dormir é claro, já que não tenho mais cabeça pra estudar, estudar, estudar, vou tentar dormir um pouco mais cedo hoje, até porque amanhã tenho uma “provinha”.



SAUDADE

Ô Gente,

Tava escrevendo um texto tão legal,

Mas…

O computador aconteceu alguma coisa aqui que infelizmente apagou o que tava escrevendo.
Mas estava falando de saudades, esse nome tão pequeno, mas que trás um Saudade 1vazio!
Vou tentar escrever a mesma coisa, sabendo mesmo assim que não vou conseguir;
Semana retrasada tivemos aqui na terrinha uns amigos que não víamos há algum tempo:
O casal I (moram em Bahia) não muito perto, fazia 6 meses que não nos víamos,
O casal II (moram em Pernambuco), fazia 3 meses que não nos víamos.
Ambos são amigos que nos trazem muita alegria quando estamos juntos, como Lídia disse num dos posts anteriores, aproveitamos a semana como nunca, saimos os 7 dias da semana, sempre tinha alguma coisa pra fazer, estávamos em boa compainha, e isso nos faz muito bem. Temos saudades desses amigos, mais sabemos que como Dani disse: “-Mesmo que passemos muito tempo sem nos vermos, quando nos encontramos parece que estávamos juntos ontem.”
Essa semana tive oportunidade de lembrar um pouquinho da minha infância, e me lembrei dos bons momentos que passamos juntos com a família, os primos, tios, avós, eram tão bons momentos, pareciam que nunca passariam, sei que aproveitei o máximo aqueles momentos, afinal de contas era tão arteira, se meu avô pudesse contar a vocês o trabalho que dei (kkkk), mais mesmo assim era uma neta muito querida, (não mais que Lídia), mais era mesmo assim; Só não dei mais trabalho que Lídia, que era traquina, até hoje rimos muito com suas palhaçadas quando a família está toda junta, ela consegue ser uma pessoa séria e engraçada ao mesmo tempo, é uma irmã muito querida (as vezes também tenho saudades de alguns anos atrás, quando tinhámos mais tempo de estarmos juntas, de brincarmos mais) as vezes passávamos e ainda passamos a noite conversando, e mainha acordava e mandava agente dormir,mas não iámos dormir de jeito nenhum(só quando terminávamos todos os assuntos). São momentos muito bons, quero ter saudades desses tempos pro resto da minha vida (LÍDIA É A MELHOR COMPANHEIRA DE QUARTO QUE EU PUDE TER: AMO VOCÊ IRMÃZINHA); E voltando a família, principalmente meus primos, sinto muitas SAUDADES, dos tempos que não tinhámos responsabilidades e podíamos fazer tudo que queríamos, quando muitos de nós não éramos pais e mães de família . . . eram bons os tempos de bagunça na casa do vovô; Saudades, sempre sentirei, SAUDADES. (Ainda sabemos aproveitar, mas nada é igual quando éramos pequenos e eles não gostavam que brincassem com eles porque usava botas ortopédicas e pisava em seus pés brincando de pega-pega – rsrsrsrs).
Semana passada também tive saudades do meus tempos de escola, encontrei uma professora e uma amiga que estiveram comigo quando fiz 8ª Série, se faz tempo? Só 9 anos! Lembramos tanto de como era bom, dos amigos que estudaram com agente, das festas da sala,dos passeios, dos jogos, mas falamos também de como está o nosso presente, e é muito bom ver que todo mundo progrediu. E hoje conversei no MSN com outra amiga que estudou Ensino Médio, ela é muito querida e sempre temos contato, fizemos cursinho juntas também, apesar de não nod vermos sempre, sempre nos encontramos, ela é uma pessoa muito abençoada e guerreira, admiro muito ela. E agora me lembrei do professor que mais marcou meu tempo de ensino médio, era de matemática, pegava muito no nosso pé – outro dia nos vimos e ele ficou muito feliz ao saber que tava cursando faculdade. Pense na saudade daqueles tempos!!!
Hoje também conversei com outra amiga, que apesar do pouco tempo (6 meses) que não nos vemos sinto muita saudade dela; Já moramos juntas por 1 mês e fazíamos todos os trabalhos e seminários da facul juntas. A verdade é que não só sinto saudades dela, sinto saudades das outras amigas-irmãs que fiz, e daquelas outras que mesmo não falando muito fazem muita falta. Sinto falta das amigas, das provas de professores feito Adriana (Prova prática de Semiologia I e II), Fátima (Legislação) e de João (UTI) eram porvas que agente tremia nas bases – mas estávamos sempre unidos, dos seminários com Emely fazendo perguntas difíceis (rsrsrs), dos estágios com Supervisores feito Marinês (era exigente), Dani (era a amiga), Lenilde(a preocupada) e Karla (a compreensiva), da formatura:Culto, Colação, aula da Saudade. Muitas saudades daqueles amigos que também sentem nossa falta.
Na verdade precisamos ter saudades pra que vejamos e lembremos o quanto os momentos que passamos foram bons, quanto aqueles momentos se eternizam na nossa memória.
Vale a pena você parar um dia e brincar de ter saudades,
Tenho certeza que fará muito bem pra você, pra sua vida;
Você verá que amadureceu, que a vida espera por você, verá que existiram pessoas muito especiais na sua vida que passaram pra que vinhecem outras melhores ainda e assim conssecutivamente.
Não é ruim ter saudades!
O prejudicial é viver a saudade,
É você querer viver aqueles momentos,
O tempo nunca volta, por isso precisamos aproveitar cada minuto,cada momento, cada choro, cada sorriso, vivermos cada amizade; para que não vivamos com saudades do que não fizemos.
Mais que tenhamos saudades dos momentos maravilhosos eternizados na nossa memória e que passaram e nunca voltarão.
Por isso aproveite cada momento da sua vida!
Um Bom Dia pra todos.
Beijos 🙂

Definitivamente EU odeio matemática…

matematicaOlá! Quanto tempo…

Uma das primeiras coisas que pensei quando passei no segundo vestibular foi: “Me livrei de física!” Parece que naquele momento eu esqueci que ainda ia ter que estudar matemática.

Talvez um dia eu ainda vá usar, mas a única coisa que uso de matemática na minha vida pratica é:

“Já sei somar alegria e prazer,
Sei diminuir tristezas
E multiplicar a paz,
Mas o mais importante que eu aprendi
Foi dividir o amor!”

Pronto!
Isso é o que uso!

Você deve ta me achando ignorante. Calma! É lógico que eu estou sendo extremista!

Fora na faculdade que tenho 8 horas de aula (sendo 4 de Calculo I e 4 de Estatística – até gosto um pouco).
Uso a matemática sempre pra calcular uma tarefa que estou fazendo e vejo como posso economizar meu tempo. Contar dinheiro e outras coisas, é só! Só isso!

Não vou faço um curso de tecnologia, não faço exatas, mas mesmo assim tenho que estudar esse triste Calculo I ou pra não assustar (como “diria” meu fluxograma – se ele falasse) “Matemática II”.
Nomes a parte, é o fim! Eu não mereço!

Pra completar eu ainda tenho um professor que não fala “uma” palavra certa, mas é o gênio da matemática! Se acha também o gênio da vida. Não duvido que ele saiba muita matemática, só não conhece o significado da palavra DIDATICA.
Ele não sabe que objetivo do professor é dar o conteúdo para que o aluno aprenda!

Isso significa que até dia 16 de julho eu vou ter que ralar muito. E até o fim da faculdade também, pq ainda existe duas palavrinhas que fazem parte da minha vida acadêmica “Administração financeira”.

É isso!
É bom demais voltar!

PS: Quero agradecer a minha irmãzinha que tem cuidado muito bem do blog!

Doutor? Só se tiver doutorado!

dotourandosAs brincadeiras em torno desse título são muitas, tenho um amigo que chama quase todo mundo de “Dr.”.   “Diga Doutor!”, “Olá doutora”, “Como vai Doutor”. Políticos são chamados de “Dr.”, ou mesmo qualquer pessoa que esteja de carro é assim chamado por um flanelinha, Dr. é quem “tem” dinheiro.

Antigamente qualquer pessoa que saía da sua cidade provinciana para estudar já voltava automaticamente doutor. Antigamente? Acho que hoje em dia, acredite, no ano 2009 ainda é assim em certas localidades(?). Afastando-se das localidades, das brincadeiras e mesmos dos amigos “bestas” que agente chama de doutor, existe profissões que até hoje muitos chamam de doutor, motivo? Acho que os principais motivos são a tradição, e pura babação. O fato é que Médicos, advogados são tradicionalmente chamados assim e o título se estende aos demais profissionais de saúde. Ou me diga como você chama seu dentista? Eu chamo Dra. ***. O dentista é Dr., o fisioterapeuta é Dr., o nutricionista é Dr., o psicólogo é Dr., o fonoaudiólogo é Dr., o enfermeiro é Dr. o mais interessante é notar que o próprio conselho de enfermagem autoriza os enfermeiros a usarem o título de doutor¹. O engenheiro civil (para o pião com certeza é) muitas vezes é Dr.

Acho que um dos motivos de tal confusão é feita pelo nosso próprio dicionário² que define doutor como: aquele que ensina; homem erudito; sabedor; aquele que recebeu o mais elevado grau numa faculdade universitária; [por extensão] forma de tratamento social que se dá a qualquer indivíduo bacharel ou licenciado.

Será que o nosso dicionário está correto?

Aquele que ensina é professor, um homem erudito pode ser qualquer homem(mulher) sábio, ou que tenha vasto conhecimento, sabedor é alguém informado, aquele que recebeu o mais elevado grau na faculdade universitária esse sim é o verdadeiro doutor, porque fez mestrado e depois doutorado ( ou seja, estudou muuuito e defendeu tese), tratamento social que se dá a qualquer indivíduo bacharel ou licenciado, esse aí já ta dizendo é bacharel ou licenciado.

De onde vem esse titulo tão confuso e ao mesmo tempo ambicionado?

Creio eu que Dr.(médico) vem de doctor³ nome que corresponde ao nosso médico em inglês, assim a abreviação de doctor é “Dr.”, como nós brasileiros gostamos muito (eu não gosto) de imitar os norte-americanos aderimos também ao Dr. assim eu entendo que nós deveríamos chamar os nossos queridos médicos de Md. *** . Com isso não estou querendo desmerecer os médicos que estudam tanto, antes, durante e depois da faculdade. (se bem que todo profissional deve ou pelo menos deveria estudar muito antes, durante e depois).


Acho também que a questão (que já tratei) de quem saía pra estudar independente do curso e voltava doutor, acho que daí vem à compreensão do nosso dicionário a respeito do bacharel e do licenciado (usual).


O nosso dicionário não está errado só mostra o que significa doutor, e isso até informalmente.


Com o uso “indevido ou não” do termo,  quem “sofre” são os DOUTORES aqueles que muito estudam, que deixam muitas vezes suas famílias para ir para outra cidade ou outro pais estudar muito, que abrem mão do(a) namorado(a) querido(a) e no caso das mulheres é ainda pior adiam por alguns anos o sonho ser mãe. E fazem suas pesquisas contribuindo com diversas áreas de conhecimento.


Por todos esses motivos, em minha opinião, por mais nobre que seja uma profissão só deve receber o título de Dr. após o doutorado até lá devem ser chamados de bacharéis, licenciados, especialistas, mestres e aí sim doutor. Até lá devem ser “Md.”, Adv.°, Eng., Enf., Psi., Odont.,Bioq.,Farm.,Fga., entre outros.


E nada de conselho conferir esse título a qualquer que seja o profissional, é hora de valorizar cada profissão e incentivar nossos estudantes a serem verdadeiros DOUTORES, sejam eles médicos, advogados, fisioterapeutas, arquitetos, químicos, geógrafos, administradores, psicólogos, odontólogos, enfermeiros, nutricionistas, engenheiros, filósofos, biblioteconômicos, arquivistas, fonoaudiólogos….


¹ http://www.portalcofen.com.br/2007/materias.asp?ArticleID=7087&sectionID=34
² http://www.priberam.pt/dlpo/definir_resultados.aspx
³ http://www.rogeriomarques.com/2008/04/dr-phd-md-e-ceo-entenda-essas-abreviaes.html

Ps: Eu não tenho obrigação de saber abreviar profissão nenhuma.

EDITADO:

Retificando: Se os conselhos dão oportunidade de um determinado profissional ser chamado de Dr., ótimo!  Agora o que não dá é pensar que quem é médico, advogado ou fisioterapeuta (ou qualquer outro profissional a quem é concedido usar no seu jaleco o titulo de Dr.) é DOUTOR de verdade, eu respeito, é um titulo informal. Que eu, por exemplo, não tenho problemas em usar, mas Dr. é diferente de DOUTOR.

Talvez seja por isso que ultimamente os verdadeiros DOUTORES são tratados (preferem ser) como “Prof. Doutor Fulano de Tal”.

Leia também:

<a href="http://”>https://coisasdestavida.wordpress.com/2009/03/25/dr-e-com-doutorado/

Ih foi mal a minha é federal!

logoufpbEssa é a frase que talvez todo fera federal já falou. (Ih foi mal a minha é federal!)
Ela é uma espécie de humilhação aos colegas que passaram nas particulares.
Porque parece que quem passa na particular é sempre mais “burrinho”.
Eu tou fora!
Não faço esse julgamento.
Tudo bem, é verdade que tem muita faculdade ai que abre “mil” vagas por curso, ainda tem o tipo de faculdade “pagou passou” e ainda tem pior “pagou tá formado”.
É verdade que hoje em dia tem uma faculdade em cada esquina, e algumas de péssima qualidade.

Mas tem muita faculdade e universidade particular de ótima qualidade, onde o ano letivo é certinho, os professores são ótimos, a estrutura é de primeiro mundo, o ensino é de primeira qualidade, não tem greve, você só tem que depositar uma pequena fortuna todo mês. Afinal tinha que ter algum defeito. (Não é o caso da que comentei ontem)

Lembro das frases que minha irmã muito escutou:
Particular todo mundo passa.
Ah! E não é na Federal ? Vixe!
Fala sério, particular!?
Também, é bom porque pagou passou, não tem concorrência.
Os professores dão uma moleza, né?

Abaixo o preconceito!
Na verdade muitas vezes só precisa de um “motivo” pra ridicularizar alguém ou algo.
A verdade é que a faculdade onde minha irmã se formou o curso tem 40 anos, é mais antigo que o da federal. O curso é muito bom e falando sério durante a vida acadêmica da minha irmã nenhuma dessas frases teve verdadeiro significado. Ela teve que derrubar alguns pra passar, no ano que ela passou um amigo que se julgava muito preparado levou pau, não foram poucas as vezes que ela ficou horas e horas estudando inclusive de madrugada (naturalmente como qualquer universitário que quer se tornar um excelente profissional). Não, os professores não dão mole.
E hoje é formada. É uma profissional.

Conheço também docentes de faculdades particulares que são excelentes profissionais. E nunca se prestariam ao “pagou passou”.
Uma amiga(docente) especialmente conta que é super exigente, que naturalmente pra passar “nela” tem que “ralar muito”.

É verdade também que às vezes esse preconceito vai além das gozações, muitos profissionais que se formão em faculdades particulares apesar de excelentes alunos e às vezes até docentes são descartados nos processos seletivos de mestrado e doutorado por sabotagem e discriminação. (-Informalmente-, pois infelizmente não se tem como provar). (Não é o caso da minha amiga acima).

Sobre as Universidades públicas é interessante notar que as vagas não são suficientes, fora as greves, os professores descontentes, os prédios sucateados, salas apertadas, estrutura deficiente e etc.

Muitas vezes o conceito das Universidades Federais são verdadeiramente bem melhor que os das particulares (Não é regra).
(E como ontem quase que ridicularizei a federal {Foi mal!}, hoje vou fazer os elogios.)
Nossa federal tem um curso de direito que é ótimo. (Pelo menos tem uma faixa quando sai o conceito sempre com um A. Meu amigo que estuda lá fala que é muito bom). Mas é verdade a Federal sempre tem um ótimo conceito no exame da OAB inclusive está na lista de cursos recomendados ¹ e em 2008 foi o primeiro lugar do Brasil no exame ².
Ao meu modo de ver esse último reitor fez muito pela nossa UF o que foi realmente importante, mesmo assim ainda falta muito, por a UF ser “grande” sempre tem muita coisa pra melhorar.

O fato é que já ouvi falar que o titulo da faculdade só é muito relevante nos primeiros 4 anos, depois o que vale mesmo é a experiência e as pós-graduações.

Então se forme onde você tiver oportunidade e vá em busca dos seus objetivos (especialização, mestrado, doutorado…) seu futuro profissional quem decide é você. Tente, se esforce, estude muito e principalmente tenha seu objetivo bem definido.
E certamente você será um excelente profissional independente se você estuda/estudou no Cefet, na UF, na UE ou na particular.

Boa sorte!
Seja Feliz!
E Bem sucedido!

¹http://www.oab.org.br/oabRecomenda.asp
²http://www.oab.org.br/pdf/2008_1_IES.pdf